Bem Vindo ao Blog de Fco. Santos - PI

Bem Vindo ao Blog de Fco. Santos - PI
Mate a sua saudade da Nossa Terra

DÔE PARA O BLOG DE FRANCISCO SANTOS - PI

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Artigo do escritor, poeta e conterrâneo Francisco Miguel de Moura

MEC - “POR UMA LÍNGUA PIOR?”



Francisco Miguel de Moura*



Um tiro recente sobre a nobre língua portuguesa assustou os amantes das obras de Camões, Eça de Queiroz, Camilo Castelo Branco, Alexandre Herculano, Fernando Pessoa, Machado de Assis, Euclides da Cunha, Rui Barbosa, Drummond, Olavo Bilac, Gonçalves Dias e tantos outros, cujos autores devem estar tremendo em suas sepulturas. Trata-se da consagração da ignorância distribuída pelo Programa Nacional do Livro Didático, por todas as escolas do ensino fundamental do Brasil, através do livro “Por uma vida melhor”, de Heloísa Campos. E não foi a primeira vez que o Ministério da Educação bateu fofo, sob a batuta do PT. Enumeremos alguns outros recentes: A fraude do Enem, em 2009, quando foram roubadas provas dentro da gráfica responsável pela confecção dos testes; no ano seguinte, os erros na impressão das provas; a denúncia de fraudes no Prouni, com estudantes beneficiados pelo programa, os quais não se enquadravam nos limites de renda; o episódio da sobra de vagas, principalmente no caso das bolsas parciais e no programa de educação à distância, o que demonstraria uma falha administrativa, são os apontados pela revista “ISTO É”, desta semana (25.5.2011). Além disto, é notório que as entidades internacionais de fomento não se cansam de advertir sobre o grande gargalo do desenvolvimento do Brasil: o baixo nível da educação – tudo isto para resumir a miséria a que foi relegado o futuro da juventude brasileira.


Foi um susto, pois é insensata e inaceitável a autorização e distribuição de um livro que trata mal a língua portuguesa, ainda mais porque sua presença abrangerá toda a rede de escolas do ensino fundamental, com finalidade didática, isto é, para ser um instrumento de aprendizado, onde a fala errada do povo é lecionada como português correto. Sinto muito, orientadores do MEC, que vocês considerem corretas as expressões como Nós pega o peixe”, “os menino pega o peixe e outras semelhantes, ensinando às crianças como dignas de serem faladas e escritas. Dessa forma, os meninos não pegarão jamais o peixe. Ao contrário, vão, sim, pisar na bola, como a autora, quando forem redigir uma carta ou ofício, quando forem fazer um concurso, quando... Em tudo. As línguas têm sua variante familiar, doméstica, que não precisa ser ensinada, e o seu padrão normal, oficial ou clássico, como o queiramos chamar, que deve ser o ensinado na escola, pois não se elevará jamais o padrão educacional do povo, nivelando-o por baixo. Quem estudou Lingüística, matéria nova, no curso superior, sabe que é ciência, é experimento. Mas, na escola fundamental, estuda-se mesmo é gramática e leitura dos bons autores, para uso durante toda a vida. Os defensores do erro são certamente pseudos intelectuais ou políticos frustrados, travestidos de cientistas, que apostam na ignorância do povo, para terem votos e consciências compradas para sua eleição, ou para a aquisição de seus altos empregos burocráticos. Se há falta de escolas, vamos criar mais; se há deficiências na educação, vamos supri-las... O certo e o errado são distintos como a água e o fogo, senão dois mais dois seriam cinco, e valem enquanto permanecem os princípios em que se arrimam. Não importa a letra da canção. Assim devem ser os livros da escola. É preciso compreender que todas as nações têm seus símbolos sagrados: a bandeira, o hino, a língua... E o direito à comunicação oral e escrita pela língua oficial é sagrado, faz parte da cidadania. Um erro gramatical é um erro contra todos que falam aquele idioma. Napoleão Mendes de Almeida, famoso gramático de várias gerações de brasileiros, escreveu: “A língua é a mais viva expressão da nacionalidade; saber escrever a própria língua faz parte dos deveres cívicos”. E o povo somos todos nós, não apenas os pobres incultos, e estes têm de ser incluídos não somente através dos direitos ao trabalho, à justiça, à saúde, à segurança, mas também através do direito à educação. “Por uma vida melhor”, livro de HC, distribuído às escolas, deveria ter o título de “Por uma língua pior”, não acham, leitores? Nós, professores e escritores, vivemos criticando a TV Globo, por causa de alguns erros de pronúncia que por ela circula. Pronúncia é fala. Mas, agora, esta não. “Verba volant, scripta manent”. A sacralização de erros didáticos, na escrita e, por extensão na arte e em documentos, é demais!


Não temos nada contra quem escreve e publica livros errados, polêmicos, sei lá. O direito à liberdade de opinião é de todos. Cada um responderá perante a polícia e a justiça, por seus pecados. Mas, o MEC, órgão oficial, que tem a obrigação de cuidar bem e da melhor maneira possível do setor educação, não pode ser poupado. O caso é indefensável, por mais que alguém queira forçar a barra. Os governantes destes últimos anos, depois do governo Fernando Henrique Cardoso, precisam acordar, ou aprender, que o povo não é somente o pobre, o sindicalizado ou, sem generalizar, quem tem ficha no PT. O povo são todos, ricos e pobres, brancos, pretos e amarelos, japoneses, alemães, polacos, católicos, evangélicos, budistas ou judeus, eleitores do partido A e do partido B. Entender os princípios que norteiam a nação brasileira é o começo da integração. Em seguida, é só estudar, trabalhar, amar e viver a cidadania a que tem direito.



________________


*Francisco Miguel de Moura, escritor brasileiro, membro da Academia Piauiense de Letras, da Academia de Letras da Região de Picos, da União Brasileira de Escritores- SP e da International Writers and Artists Association – IWA, Estados Unidos.

39 comentários:

  1. Belíssimo artigo. Parabéns a mente intelectual do autor. Quanto ao mérito do texto, esta é a educação que nós temos, infelizmente. Confundir preconceito linguistico - matéria comumente vista em universidades - com língua padrão, parece burrice, mas não é o caso do MEC. A intensão parece ter sido convencer as classes populares de sua ignorância, incentivá-las a permanecerem no estado de exploração, de onde jamais sairão concordando singular com plural.

    ResponderExcluir
  2. José Carmo Brasília-DF3 de junho de 2011 16:57

    Parabenizo o escritor Francisco Miguel de Moura que, com conhecimento de causa e senso de oportunidade, traz à baila análise abalizada a respeito do livro de H.Campos - Por uma Vida melhor. Tal manifestação, na minha avaliação, reflete o sentimento geral de repulsa a esta monstruosidade que querem impingir à nossa língua.

    ResponderExcluir
  3. Eu estava coligindo matérias e tentado adquirir o famigerado livro, para, também, dar minha pálida contribuição sobre o assunto. Eis que me deparo com o artigo de Chico Miguel, que não comporta uma vírgula a mais, um ponto a menos.
    Prezado Chico, vivemos a Era da Ideologia Petista. Ela se alastra - ou tenta se alastrar, feito uma epidemia - por todos os setores da sociedade civil brasileira e da vida particular de cada um de nós. COISA NUNCA ANTES VISTA NESTE PAÍS! Temo bastante a implantação do TOTALITARISMO, das ditaduras brancas, das mordaças que se tentam colocar - na imprensa, no ministério público etc etc etc - através da proposição de leis aprovadas por um congresso "maleável", das tentativas de criação de conselhos prenhes de "artifícios" ou de simples portarias, muitas vezes passando por cima da Lei Maior. Imaginem que até pretendem determinar o remédio que eu devou ou não tomar. O médico já não pode prescrever livremente.
    E o pior de tudo é que tem gente de muito boa formação, de muita inteligência - pessoas que se dizem pensantes e bem informadas - que não veem isso.
    Aplaudam esse livro, ó gente que não quer enxergar.
    PARABÉNS, FRANCISCO! ASSIM MESMO: COM LETRA MAIÚSCULA.
    João Bosco da Silva

    ResponderExcluir
  4. A repetição da mesmice, nos leva à acreditar que nós os brasileiros, em especial do NE, somos todos imbecilizados à "toque de caixa". Não precisa aprender, mas sim, só a fazer o que ELES nos impõem de goela abaixo. E acabar, os analfas somos nós, os nordestinos de açúcar...

    ResponderExcluir
  5. Em 1970, aos 17 anos, fui estudar o antigo ginásio no Recife-PE. Falando o meu gostoso, desconhecido e original “franciscossantês” sofri um bocado. Em certa ocasião, uma vizinha, que me acolheu muito bem, disse-me: tudo em você é normal: o modo de se vestir, a higiene pessoal, é bonita, só precisa mudar a fala. Ela, em sua prepotência, pensou que me elogiava dizendo que eu, recém-chegada do interior, era normal. Desaforada desde sempre, respondi: posso até mudar minha fala, só não quero aprender a sua. E acrescentei: graças a Deus, o meu irmã João, que mora aqui no Recife há anos, não aprendeu. É óbvio que o nosso diálogo estava impregnado de preconceito. A antiga pendenga sobre os falares contempla além dos sotaques, as expressões “esquisitas”, os erros gramaticais, os vícios de linguagem de cada região etc.
    Eu, no alto da minha boa vontade, que acredito não ser ingenuidade, acho que o objetivo do MEC é fazer com que todas as falas sejam respeitadas em sala de aula, que o modo de falar de cada um seja tratado sem discriminação e, num ambiente onde ninguém se sinta por cima da carne seca, reine a harmonia, o amor e a solidariedade tão indispensáveis, segundo Paulo Freire, para que se efetive o ensino aprendizagem. É bom que ninguém deixe de expor suas idéias ou de tirar suas dúvidas com medo de falar “errado”, diferente dos outros, com receio de ser repreendido ou ridicularizado. Se o material não está bom, penso que nós, que nos consideramos letrados, devemos primeiro estudá-lo e depois apontar os defeitos de forma direta, didática e objetiva.
    Recuso-me a acreditar que o órgão administrativo encarregado da educação de qualquer país do mundo, inclusive do Brasil, pretenda ensinar errado o próprio idioma. Mesmo diante das afirmativas da Globo, da Isto É, da Veja, eu procuro outra explicação para o episódio. Assim, vou tentar adquirir o livro, depois lhes direi alguma coisa.

    ResponderExcluir
  6. Boa noite a todos os leitores deste blog!!!
    Custo acreditar que o intuito do governo, na figura do mec, adotando o livro referido nos post's acima, tenha sido o de controlar as classes pobres estimulando-as a "falar errado" e que não precisam aprender o portugues correto. Ouso afirmar que o governo com tal atitude quis, mesmo não tendo sido feliz no modo como fez,penso eu, demonstrar que a função da língua é se comunicar e expressar opiniões. E que pessoas que não tem o dom da fala e de se expressar não se acanhe diante dos que possuem. É preciso que todos falem, opinem, discutam e etc. Todos devem ser ouvidos não só os Vergalhões da academia...
    Isso não signica que o governo esteja estimulando a burrice e o falar errado. pelo contrário acho que o inutio foi o de demosntrar que a voz de um "analfabeto" deve ter importância igual ao de um diplomado.
    Rodrigues, Maceió/AL

    ResponderExcluir
  7. Ao que parece o Rodrigues acima entendeu tudo e está dando uma de desentendido, parece ter como objetivo apenas defender o indefensável ou seja esse mec, com letra minúscula mesmo, como o próprio escreveu.
    Não vai ser bem essa a lógica nas provas, concursos, e outras avaliações a que serão submetidos os estudiosos dessa maravilhosa gramática lulista. Quanto ao artigo excelente, só podia mesmo ser de FRANCISCO MIGUEL DE MOURA.

    João Batista Rodrigues BRASILIA/DF

    ResponderExcluir
  8. Ainda não consegui o livro Por uma vida melhor, mas encontrei na internet o capítulo que trata da famigerada polêmica e o li integralmente. Fico estarrecida como pessoas letradas como Cristovam Buarque e os jornalistas do país afora se posicionaram radicalmente contra a abordagem do livro, utilizando argumentos que me fizeram crer que eles ou não leram o livro ou, se leram, não o entenderam. Para começar, partiram de frases isoladas do contexto, o que é um crime em se tratando do entendimento de um texto. Em nenhum momento se ensina como corretos erros gramaticais. O livro apenas aborda as variantes (faladas) da língua. A famosa frase a que o poeta Chico Miguel se refere foi mencionada no livro como uma variante da língua falada popularmente. E a autora afirma que tal variante pode ser falada, e até preferida, conforme a ocasião. Acho apenas que ela afirma o óbvio. Não é que possa ser falada, é falada largamente. Não é uma questão de poder ou não poder, é um fato. E de acordo com as conclusões dos cientistas lingüistas, não se deve mais abordar a questão como um erro, mas apenas como sendo uma variante da fala. Para mim, é apenas uma mudança de paradigma: segundo a proposta, em vez de considerarmos que o fulano está falando errado, devemos dizer que ele está se utilizando de uma variante (falada) da língua. A gramática continua lá, onde sempre esteve, devendo ser estudada, cobrada e dificilmente aprendida.
    Não nos esqueçamos, ainda, que a língua portuguesa é originária do latim popular. É, portanto, inculta e bela, como disso Olavo Bilac. E se no futuro surgir o idioma brasileira, com certeza será também oriundo do falar do povo, e também será inculto e belo.

    ResponderExcluir
  9. Emendando:

    1) Analisando melhor, talvez o inculto de Olavo Bilac seja uma referência aos falantes da língua e não à sua origem, como sugeri. Perdão!!!

    2 ) Um aspecto importante e não colocado pela mídia e demais críticos do livro Por uma vida melhor foi o fato de que o livro se destina especificamente ao plano de ensino chamado Educação para Jovens e Adultos (EJA). O EJA é um projeto de educação para jovens e adultos que não tiveram a educação formal necessária na idade adequada. Portanto, já chegam à escola carregando uma bagagem cristalizada de alguma variante falada. Assim, conforme os especialistas, se torna urgente trabalhar a questão das variantes da língua.

    ResponderExcluir
  10. Não sei onde Olavo Bilac entra nessa história, já que era um poeta, e não um gramático, e não me consta que tenha escrito algum livro didático. Quanto aos jovens e adulto que nunca tiveram educação formal, não seria melhor começar aprendendo de maneira correta?

    João Batista Rodrigues BSB/DF

    ResponderExcluir
  11. Acho que o intuito do João Batista é criticar o Governo, MEC e etc.Está parecendo com oposição política!!

    Rodrigues, Alagoas/maceió.

    ResponderExcluir
  12. Chico Miguel, João Bosco e João Batista Rodrigues são massa de manobra da elite separatista, entregista e conservadora que desgovernara o Brasil durante longos e tenebrosos anos e,não se conformam com o processo evolutivo de mudanças implementado pelo PT em todas os âmbitos da gestão pública, como sendo: nas áreas econômica, social, política, e principalmente na educação. O conteúdo ideológico e preconceituoso de ambos em nada contribui para subsidiar o debate.

    ResponderExcluir
  13. kkkkk essa é foi de matar de rir, eu massa de manobra? Separatista? Que que isso gente boa! Acho que ainda vivemos em um país democrático onde as pessoas podem ter pontos de vista diferentes, ainda! No rumo que a coisa tá tomando daqui a pouco quem não rezar na cartilha petralha poderá até ser punido hehehe... Prá seu governo meu caro(a) anônimo, votei em Lula e no PT várias vezes, mas a coisa tomou um rumo diferente, não sou partidário de ninguém, nunca votei em FHC, Collor, etc, candidatos da maioria desses que hoje defendem o PT. Só que tenha capacidade de análise e discernimento portanto não posso concordar com o que a meu ver não seja correto, e é isso ai.

    ResponderExcluir
  14. Pena que nem todos se identifiquem! O debate seria muito mais interessante e respeitoso se todos assinassem o próprio ponto de vista.

    ResponderExcluir
  15. Pois é Sra Clotildes esqueci de me identificar na mensagem acima, sou Joao Batista Rodrigues, eleitor de Marina Silva, nasci em Imperatriz aos três anos de idade, sou neto de Francisco Santense, ainda da época em que se chamava Jenipapeiro.

    ResponderExcluir
  16. lendo o artigo acima, e os comentários dos blogueiros também.
    opino da seguinte forma:
    Eu concordo 100% com os comentários do rodrigues, postado dia 5 de junho as 18:52
    faço das suas palavras as minhas tambem.
    Erros acontecem e vão sempre existir, seja em que esfera for.


    dizem que o pt é corrupto, como se fosse o único, é uma piada....
    mas falar mal do pt é fácil, virou moda.
    Em 2001, para impedir a instalação da CPI da Corrupção, FHC criou a Controladoria-Geral da União, órgão que se especializou em abafar denúncias.
    Mas foi o PT do LULA, que revolucionou esse país de ponta-a-ponta.
    hoje temos orgulho de sermos Brasileiros, a auto-estima está estampado em cada rosto.
    o Brasil de hoje é o Brasil do desenvolvimento, da busca pela igualdade, onde o pobre pode sonhar com uma vida digna e realizar esse sonho.
    o que antes era só um faz de conta.
    Em oito anos como presidente da República, Lula levou o Brasil ao menor índice de desemprego da história do país, a um índice de analfabetismo baixo, tirou milhões de pessoas da pobreza absoluta, fez o Brasil tornar-se um país respeitado.
    só não vê quem não quer.
    Hoje nosso BRASIL é maíusculo e não mais aquele brasilzinho pequeno , timido, inferiorizado.

    mônica silva

    ResponderExcluir
  17. Concordo com Mônica e acrescento:

    Devemos ter muito cuidado com a informação, com o que é alardeado na mídia. Desde muito estes três grupos dominam o setor de comunicação neste país:

    Família Marinho: Organizações Globo: várias empresas brasileiras concentradas especificamente na área de mídia e comunicação. É o maior conglomerado de mídia da América Latina e um dos maiores do mundo. Nossos velhos conhecidos: Rede globo de televisão, revista Época, Jornal o Globo etc.

    Família Civita: Grupo abril: Veja, Exame e outros.

    Família Frias de Oliveira: Grupo Folha.


    Essa gente não tem compromisso nenhum com os interesses dos mais humildes, dos trabalhadores, com o sucesso do governo Lula e, agora, Dilma. É bom procurar conhecer com quem eles estão e estiveram desde Getúlio Vargas até hoje. Cuidado com o que eles dizem. É preciso escutar, analisar e, se possível, apurar. Não que reste alguma dúvida sobre a existência de corrupção, desmando e politicagem no país, mas temos que estar interessados em saber quais os interesses e quem os está defendendo. Ninguém que tenha muito dinheiro dá ponto sem nó.

    ResponderExcluir
  18. Não se pode negar muitos avanços ocorridos no governo Lula. Só cego não vê, concordo. E os cegos que não veem Sarney, Calheiros, Barbalho e Cia? Por que não releem o que Lula dizia desses senhores? Aliás, não precisa. Na campanha eleitoral ele disse que, se fosse preciso, se aliaria até com o diabo.
    Ao anônimo que disse quee sou massa de manobra, eu pergunto: de quem? Que sou entreguista? DE quê? Separatista? Tenho apenas MEU VOTO e a liberdade de votar em que quiser.
    Sim, de achar bom ou ruim determinado governo.
    João Bosco da Silva - Teresina-PI

    ResponderExcluir
  19. Boa tarde/noite a todos!!!!!!
    É impressionante como tudo aqui no Brasil acaba em política ou melhor politicagem.Cada um defendendo seu lado e etc. E esquecemos de analisar o problema em si. Pessoal vamos discutir o assunto/tema em questão - a tal "cartilha" do MEC - deixemos de lado essa discussão de partido que não nos leva a nada, nunca.
    Rodrigues, Maceió/AL

    ResponderExcluir
  20. Eu, FRANCISCO MIGUEL DE MOURA, não sou anônimo. Neste ponto, louvo a dignidade de minha amiga Clotides Santos e de outros que assinaram suas opiniões.
    Não devemos ter medo de opinião. Num país em que se tem medo de opinião, tem-se horror à democracria e aos direitos fundamentais do homem.Assim como aos deveres de cada cidadão.
    A rigor, quero só esclarecer:
    Meu primeiro voto em elição presidencial foi para Juscelino, e no mês seguinte eu já era oposição por alguns demandos, principalmente a inflação que correu frouxa, prejudicando os miúdos. E o povo somos todos, quem não souber o que são todos, não sabe também que é um, o índivíduo, a pessoa.
    Depois votei nos socialistas ou que assim se apresentavam: Getúlio, João Goular, fui a favor da reforma agrária, sofri perseguições políticas e policiais na "revolução" de 1964. Não votei no Fernando Henrique, nem no Color, nem no Sarney, votei muitas vezes no Lula, na penúltiva eleição votei em Cristóvam Burque - uma das maiores culturas deste país e um coração de ouro, conheço-o pessoalmente. Nalgumas vezes votei no Lula por falta de boa opção.Reconheço que o Lula alcançou avançanços que já vinham sendo colocados na economia, a partir de Itamar Franco e Fernando Henrique. Fui um feroz crítico deste último, quem quiser leia meus artigos nos jornais do Piauí e alguns republicados noutros estados.
    Mas, dizer que o erro não é erro, é coisa muito diferente, especialmente em instrução, educação e língua pátria. A escola e a língua, são para todos, não para A nem B,pobre ou rico, preto ou branco. Na escola sofri rejeições por ser feio, ou assim considerado, e não é por isto que vou defender bonito ou feio, que isto não tem importância, é coisa da Natureza, de Deus, e não devemos (ou não adianta) contestar, mas apenas trabalhar para melhorar.
    Não votei na Dilma, mas estamos atentos. Os defeitos dela são os já colocados pelo Lula e a turma de petistas sem-vergonha - não são todos os petidas - que tomou conta do palácio, através de negócios escusos que toda a nação já conhece.
    Alias, com Sarney e Color, entre tantos outros, Deus me livre. Dilma parece ir no bom caminho, livrando-se do Palocci. Mas temos muito chão ainda.
    Porém, não se metam os petistas do poder ou não em assuntos de que não têm o menor conhecimento, Assuntos como língua, hem? Pode? É absurdo mesmo o que estão praticando contra o Brasil. Sra. Presidente Dilma, não queira ser "Presidenta", que esta palavra não existe na língua portuguesa. Sra. Presidente, continue com uma política tão independente quanto possível. Você não é Lula, coitado, que nada sabia fazer. E ainda pensa que governou muito bem. Oh! Tende piedade desses inconscientes, e que, como os comunistas, ainda acreditam que "os fins justificam os meios". Daí a irresponsabilidades, a falta de ética, a falta de moral, a deturpação dos costumes em todos os sentidos, a revelação de um "anarquismo" tardio. Pelas coisas pequenas (para eles, a língua é, não merce o menor respeito) podemos medir as coisas grandes.
    Por estas razões, não me desvio um só momento da minha consciência e da minha liberdade de expressão.
    Dito isto, encerro minhas considerações sobre os desvios mencionados nos comentários acima, de tal forma que não puderam cotribuir para esclarecer a verdade e os propósitos no fato de o MEC ter pisado na bola... Infelizmente.
    A todos, meu muito obrigado por suas opiniões, aceitas ou não, mas como liberdade de expressão a que respeitamos.

    FRANCISCO MIGUEL DE MOURA

    ResponderExcluir
  21. Só para esclarecer os leitores do blog, a palavra presidenta está nos dicionários há muitos anos, não é invenção de ignorantes. E esse rótulo de não-entendedor de língua é puro preconceito.
    Eis o rótulo: "Porém, não se metam os petistas do poder ou não em assuntos de que não têm o menor conhecimento, Assuntos como língua, hem? Pode?"

    ResponderExcluir
  22. O comentário preconceituoso do poeta Chico Miguel contra o PT e Lula (líder do Mundo), só veio ratificar a sua total ignorância política. Chico é aquilo que podemos chamar de inocente útil das elites dirigentes do Brasil, que nunca se conformaram com o fato de um torneiro mecânico ter feito mais pela educação do nosso povo do que FHC, capacho do imperialisno norte-americano.

    ResponderExcluir
  23. Li esse comentário em um blog do qual sou leitor, e resovi inseri-lo no contexto dessa discussão por acha-lo pertinente ao assunto em pauta.
    Diz o seguinte: O governo já foi informado. Vai atrasar o início da produção dos Ipads no Brasil. A data agora é setembro. Motivo: Falta de mão de obra. A foxconn precisava contratar 400 engenheiros. Só conseguiu 175.
    Ao que o escrito Luiz Berto com seu conhecido senso de humor e capacidade crítica arremata. Ainda tem um problema adicional: Destes 175 engenheiros a grande maioria, mais de 80% formou-se após a implantação do socialismo moderno, ou muderno em linguagem petista, no qual foi criada a matemática do excluído, e decretada o fim dos plurais.
    Ou seja: Os Ipads já vão sair da prancheta com os cálculos todos errados e, a seguir, sairão da linha de produção irremediavelmente bichados.

    Aroeira de Itaueira

    ResponderExcluir
  24. Eu acho que a Heloísa Campos, não foi correta em seu escrito, não sei qual foi a intenção dela, acho que cada um de nós que cometemos erros, é que temos que ser responsabilizados.
    talvez até retirando de circulação esse livro.
    O ministro da Educação, Fernando Haddad, diz que ninguém está propondo ensinar o errado.
    os críticos que fizeram juízo de valor com base em uma frase pinçada do contexto.
    sequer leram o livro, pra saber a intenção da frase.
    mas culpar o governo,o Mec! assim fica fácil, né?

    AO FCº Miguel, que acha que o Lula não governou bem esse país, aonde será que ele esteve nesses 8 anos?
    os comentários dele, não condiz com a realidade.
    porque qualquer cidadão do mundo, tem consciência do avanço que teve nosso país no governo lula.
    mesmo com a oposição querendo seu impeachment
    o lula terminou seu governo com aprovação de quase 90%.
    bateu records!!!!!!!
    mesmo sem ser graduado, ou letrado...
    Considero o LULA, um dos homens mais
    inteligentes, sua inteligência está em suas ações, em sua alma.
    cabe a cada um de nós enxergar aquele que trabalha em prol de uma nação.

    temos que aprender denunciar, protestar, "e fazer nossa parte", para termos um país cada vez melhor.
    Mônica Silva

    ResponderExcluir
  25. Boa noite.
    Se é pra falar de política dou-me a liberdade de opinar também.É verdade que o governo lula foi um dos melhores ou talvez o melhor que já tivemos? - sim.É verdade também que o "sucesso" do seu governo muito se deveu a ações/medidas de governos anteriores(itamar fhc)e de uma conjuntura externa favorável? - sim.
    É fato que o país melhorou consideravelmente nesses últimos 8 anos em níveis econô micos e sociais. Porém é importante que todos nós, população,! fiquemos atentos às medidas e/ou atitudes e etc do atual governo. Tenho medo dessa blindagem que o cerca atualmente. Tomara que nosso país não enverede nos rumos de uma bolívia ou até mesmo uma venezuela chavista.Onde lá sim "os fins justificam os meios".

    Rodrigues,
    Maceió/AL

    ResponderExcluir
  26. Para quem quiser conhecer mais sobre a polênica (não garanto que o link vai funcionar. É apenas uma tentativa):

    A Associação Brasileira de Linguística (ABRALIN):

    http://www.alab.org.br/noticias/outras-noticias/83-leia-tambem-posionamento-da-abralin-em-relacao-a-polemica-do-livro-didatico

    ResponderExcluir
  27. A palavra "presidenta", existe na língua portuguesa, só que nunca foi usada.
    a norma culta da língua portuguesa acata as duas formas como corretas e aceitáveis. De acordo com o dicionário Houaiss, “presidenta” é o feminino de presidente, embora seja menos usual.
    Já o dicionário Aurélio, diz que a palavra pode ser usada no masculino e feminino, apontando “presidenta” como “esposa do presidente” ou “mulher que preside”.
    É isso mesmo, com o “a” no final. Talvez seja um pouco estranho ao ouvido por falta de costume. mônica silva

    ResponderExcluir
  28. Ao comentariasta que disse que não sabe porque Castro Alves entra na história, posso dizer que se ele sabe como se entra na internet, pode buscar sobre Olavor Bilac e encontrará porque Olavo Bilac entrou e entra e entrará nesta história enquanto falarmos e secrevermos a língua portuguesa.
    francisco miguel de moura

    ResponderExcluir
  29. Ao comentarista que escreveu não saber por que Olavo Bilac (e não Casrro Alves)... o resto está no meu adendo acima- os erros são por conta do horário avançado da noite.
    francisco miguel de moura

    ResponderExcluir
  30. Presidenta pode até ser uma forma correta de se escrever o feminino de presidente, nem por isso deixa de ser ridículo, já pensou se a moda pega, presidenta, estudanta, e por ai vai; Deus me livre só mesma uma anta pra elogia isso...

    Aroeira de Itaueira

    ResponderExcluir
  31. ESTA É UMA DENÚNCIA MUITO SÉRIA,NÃO DEIXA SEM A MAIOR DIBULGAÇÃO POSSÍVEL:

    ESCRITOR RIBAMAR GARCIA, CARTA SOBRE O MEC

    Rio de Janeiro, 24, junho, 2011

    Meu amigo Miguel de Moura:

    Irretocável seu artigo “MEC- POR UMA LÍNGUA PIOR”. Perfeito. Meus parabéns.

    A ignorância e a má-fé apossaram-se do MEC.
    Recentemente, tiveram o atrevimento de censurar Monteiro Lobato. Logo Lobato, o gênio a quem o Brasil tanto deve.

    Agora, incluíram no Programa Nacional do Livro Didático esse “Por uma Vida Melhor”, que não passa de uma apologia ao analfabetismo. Livro editado pela Editora Global, aliada a uma tal de ONG Ação Educativa, que vendeu ao MEC meio milhão de exemplares. Há algo de podre nessa história. Qual o critério de escolha da obra? Quanto o MEC pagou por esses exemplares? Quem autorizou essa compra?

    O Ministro (?) da Educação já se manifestou publicamente, dizendo que quem for contra o livro tem “viés fascista”. Imagina, quanto cinismo, deturpando a semântica da palavra. Fascista é ele, que utiliza dinheiro público para fazer apologia ao analfabetismo. Ele, sim, fascista assumido, que usa a coisa pública como privada (vale a cacofonia). E pior, um arrogante que se julga dono do estado.

    Essa venda merece uma investigação séria. Que já devia ter sido tomada pelo Ministério Público Federal e pela Polícia Federal. Mas, cadê essas instituições? Espera-se delas, agora, o mesmo empenho que costumam ter quando atuam contra certas minorias.

    Sem mais,
    meu abraço
    José Ribamar Garcia.

    ResponderExcluir
  32. Conformem-se!!! Os franciscossentenses de hoje têm escola e transporte escolar em todos os seus rincões. Fazem ensino médio na própria cidade. Estudam em Picos, a 50km, nas universidades e escolas técnicas. Passam no concurso da OAB, no vestibular, nos concursos para órgãos públicos e para o Banco do Brasil, cujo aprovação no último concurso foi de aproximadamente 11% das vagas de toda a região. Fiquei contente quando o rapaz que trabalha para mim como pedreiro me informou que agora, além de pedreiro, é professor de matemática nas escolas da redondeza (se formou aí mesmo, morando em Chico santos). Ainda há muito por fazer, em salários (o professor ainda precisa ser pedreiro), em quantidade e qualidade, como não se cansa de repetir a nossa presidenta (sem preconceito). Portanto, esse discurso com viés autoritário, pois não se detém na ideia, não se interessa pelo argumento, não quer ler o livro todo(só a frase que interessa), não pesquisa sobre a matéria (já sabe tudo), não quer saber o que dizem os especialistas do assunto, no caso, os lingüistas (não os escritores nem os juristas nem a mídia nem os opositores), quer apenas denegrir, espalhar denúncias levianas, jogar ... no ventilador. É o mesmo discurso da campanha, que não deu certo. A melhoria na vida de muita gente falou e fala mais alto. A corrupção está e sempre esteve por aqui. Poderá haver no MEC, na igreja, nos consultórios médicos, nas repartições públicas, na estrada (entre o cidadão e o guarda de trânsito) no Governo. É um mal horrível, mas nem por isso vamos ficar parados na direita, olhando a banda passar. E tudo acomodado em seu lugar: mulher na cozinha, homossexual no armário, quem fala “errado” de boca fechada, intelectual com a palavra, no poder, e por aí vai...
    Graças a Deus a fila está andando... E o mundo está vendo. E Deus também, pois deu inteligência e discernimento a todos, até aos que não falam a língua culta, como Lula (mas já aprendeu muito). E aos que, mesmo se esforçando muito, como eu, ainda escorregam na gramática.

    ResponderExcluir
  33. Eita Sra. Clotildes, então está uma maravilha! Desse jeito, acho que vou acabar morando em Francisco Santos, de onde minha família mudou-se há mais de cem anos, provavelmente por falta de oportunidades.

    Joso Batista Rodrigues

    ResponderExcluir
  34. Por favor no meu comentário acima, onde escrevi Joso na verdade queria escrever João, desse jeito sem querer vou acabar fazendo parte da gramática do excluido.

    João Batista Rodrigues

    ResponderExcluir
  35. Eu também já tô pensando em "me mudar" pra xico santos. O paraíso é lá pessoal!!! É a "pasárgada" brasileira.
    Pessoal,!!! cuidado com excessos. Não vamos nos basear num punhado de pessoas que vive no centro da cidade.
    Rodrigues, Maceió/AL

    ResponderExcluir
  36. Caros Rodrigues e Rodrigues,
    Não acho nem defendo que Chico Santos seja o céu. Quando nos contetamos com uma situação é em comparação a outra. Isso que falei no comentário acima sobre a educação é fato. É verdade também que os salários dos professores e a qualidade do ensino deixam muito a desejar. No entanto, tais dificuldades não impediram que na cidade tenha ocorrido uma verdadeira revolução com relação às oportunidades de estudar. E os resultados são evidentes: as pessoas sendo aprovadas em concursos públicos, no vestibular etc. Em toda a zona rural há salas de aula e professores. Se você quiser morar em F. Santos e se formar, fazer um curso técnico e se preparar para concursos é possível. Gosto de ver muitas donas de casa de lá, por exemplo, estudando, se formando sem ser preciso migrar, como fizemos eu e sua família.
    Na cidade não há jovens e crianças fora da sala de aula por falta de escola ou de professor.

    ResponderExcluir
  37. Quando Carleusa, no seu primeiro mandato - 1973 a 1976 - conseguiu a criação de um ginásio em F. Santos: estava do lado direito da estrada. Qunado a mesma prefeita, em seu terceiro mandato - 1993 a 1996 - propiciou a todos os professores fazerem o 3º. grau, permitindo que se criasse na cidade escola de 2º grau, a senhora Carleusa continuava do lado direito da estrada. Foi a partir deste último fato que tanto a juventude como a própria população "vestiram a camisa" da educação e o nosso jovem passou a ter melhores oportunidades, inclusive porque inteligência é atributo nato de nossa gente: um presente de Deus.
    Agora uma historieta: Uma mãe foi assistir ao desfile de 7 de setembro, em que "O VERDE" desfilava com todo garbo. A dita senhora tinha um filho recruta. VEndo-o marchar, observou: Nossa SEnhora! Todo o contingente está marchando errado; só meu filho marcha corretamente.
    Parece que eu, e alguns outros poucos recrutas, ao contrário da "mãe-coruja" nao conseguimos enxergar o passo correto do batalhão.
    João Bosco da Silva.

    ResponderExcluir
  38. Amigo Bosco,

    Não me refero à construção de uma escola aqui, outra acolá, e sempre de modo que beneficiava os mesmos. Refiro-me a um grande projeto de inclusão, com escolas na zona rural, com ampliação das formas de acesso à universidade, com muito mais escolas técnicas, mais crédito, mais vagas etc. Sem falar noutros aspectos concernentes a distribuição de renda e crescimento da economia, os quais, com todas as falhas, ainda redundaram em resultados surpreendentes. Nunca tinha visto pedreiro nem dona de casa se formando em nossa cidade, sem arredar o pé de lá.
    Sempre vi o que acontecia antes, mas meu sonho mais se aproxima do que vem acontecendo agora.
    Ainda está muito longe, no entanto.

    ResponderExcluir
  39. Existe um ditado que fala:" Em terra de cego quem tem um olho é rei". Acho que xico santos teve um enorme aumento na educação. Porém, existe um ìndice que mede/avalia a educação nacional, é o chamado IDEB. quem quiser pode acessar via net. e não vejo as escolas de xico santos com tais índices bons não.
    Rodrigues, Maceió/AL

    ResponderExcluir

Muito Obrigado pela sua visita volte sempre e continue comentando no Blog!